fbpx

Tecidos e alergia: como evitar e quais escolher para manter seu bebê sempre seguro

6 minutos para ler

Comprar as roupinhas para o bebê, com certeza, é a parte mais divertida de montar um enxoval. Existem outros fatores, além da beleza e do preço das peças, que você deve levar em consideração antes de fazer suas escolhas. Neste texto, falaremos especialmente sobre o tipo de tecido para bebês. Já parou para pensar nisso?

A pele dos pequenos — principalmente, dos recém-nascidos — é muito delicada. Além disso, o sistema imunológico deles está começando a se formar. É por isso que os bebês estão mais propensos a sofrer com alergias causadas pelos materiais.

Pensando no bem-estar do seu filho, a seguir, mostraremos quais são os tipos de tecidos mais indicados para os bebês e como identificar uma reação alérgica. Acompanhe a leitura para saber mais!

Como identificar uma reação alérgica em bebês?

A alergia de pele causada pelo tecido das roupinhas de bebês tem sintomas bem marcantes e fáceis de ser identificados. Mamães e papais devem ficar atentos aos seguintes sinais:

  • manchas vermelhas;
  • coceira;
  • pele áspera e seca;
  • escamação;
  • presença de brotoejas ou caroços.

Em casos de reação alérgica grave, os pequenos podem apresentar sintomas mais fortes, como feridas na pele, febre, falta de ar, queda da pressão e, até mesmo, desmaios. Ao sinal de qualquer tipo de anormalidade, os pais devem encaminhar a criança ao pediatra imediatamente para que a causa da alergia seja descoberta.

Quais são os tecidos menos indicados para roupinhas de bebês?

Os tecidos para bebê mais problemáticos são os sintéticos, como acetato, poliéster e polipropileno. Isso acontece porque eles não conseguem absorver a umidade muito bem, o que acaba resultando no aumento da temperatura do corpo do pequeno e no acúmulo de suor e resíduos na pele.

Mamães e papais devem ficar atentos ao cetim e ao náilon. Esses tecidos também podem desencadear alergias, principalmente, em crianças de pele mais sensível e naturalmente seca.

Já para os recém-nascidos, o ideal é evitar o uso de materiais felpudos, como soft, plush e lã. Caso o seu filho nasça no inverno e você não consiga resistir aos casaquinhos de pelos, procure os tecidos hipoalergênicos.

Quais são os tecidos mais indicados para roupinhas de bebês?

Agora que você já sabe quais os tecidos para bebê que precisam ser evitados para não ter problemas, veja os ideais para o conforto do seu filho.

Algodão

Vamos começar falando sobre o tecido mais indicado para os bebês: o algodão. As roupinhas feitas 100% com esse material, além de superconfortáveis, permitem que a pele do pequeno respire normalmente e que o suor seja absorvido mais rapidamente.

Outra vantagem do algodão é que ele é simples de ser lavado e não mancha facilmente. Combinado com outros tipos de tecido, também é recomendado para peles mais sensíveis.

As roupinhas feitas da combinação de algodão com poliéster, por exemplo, secam mais rapidamente e não amassam tão facilmente. Já o algodão com elastano garante peças mais maleáveis, permitindo que os pequenos se movam livremente.

Linho

O linho, assim como o algodão, é de origem vegetal. Por isso, também é considerado um dos melhores tecidos para vestir bebês.

Esse material é leve, macio e confortável. Se você quer variar um pouco das roupas feitas de algodão, o linho é o melhor substituto.

Malha

Além de ter menos chances de causar alergia, a malha é um muito usada na fabricação de roupas para bebês devido a sua elasticidade. Se o seu filho não para quieto um segundo, dê preferência para as roupinhas de malha.

Musseline

Esse tecido é indicado para estações mais quentes por ser mais leve e transparente. O toque da musseline é macio e muito agradável, o que significa que as roupinhas feitas com esse material são muito confortáveis.

Microfibra

A microfibra também é um dos tecidos mais queridos pelos pais, uma vez que é 100% natural. Verifique se a microfibra das roupinhas não está combinada com outro tipo de tecido sintético para garantir que o seu bebê não tenha nenhum problema com alergia.

Como cuidar das roupinhas para evitar a alergia?

Além do tipo do tecido, existem outros fatores que causar irritações na pele dos bebês. A forma como você lava, passa e guarda as roupinhas do seu filho também pode causar alergias.

Ao lavar as peças, evite usar amaciantes ou qualquer tipo de produto com cheiro forte. O recomendado é que elas sejam higienizadas com sabão neutro ou de coco.

Hoje em dia, existem alguns amaciantes próprios para roupinhas de crianças, mas fique sempre de olho na forma como a pele do seu pequeno vai reagir a esse tipo de produto. Depois de lavadas, as peças devem ser muito bem enxaguadas para que não reste nenhum resquício de química nas roupas.

As substâncias presentes nos produtos de limpeza são grandes causadoras de alergias. Portanto, certifique-se de enxaguar as roupinhas do bebê várias vezes seguidas.

Todas as peças devem ser muito bem passadas, pois os fungos e as bactérias não resistem a temperaturas altas. Você também pode deixá-las secando ao sol para facilitar a eliminação de agentes causadores de alergia.

Por último, mas não menos importante, todas as roupinhas e peças do enxoval do bebê devem ser guardadas em um lugar seco e arejado. Usar roupas que estão guardadas há muito tempo também pode causar alergias, então, tome cuidado com as peças de frio, que são usadas uma vez ou outra.

Agora que você já sabe qual é o melhor tecido para bebê e o que deve evitar, preste bastante atenção na hora de comprar o enxoval do seu filho. Alergias de pele podem acontecer com todas as crianças — afinal, a pele dos pequenos é extremamente fina e sensível. Mas, se o seu filho tiver reações alérgicas muito frequentes e fortes, procure o médico o mais rápido possível para descobrir as causas.

Você está montando o enxoval do seu bebê? Está procurando produtos com qualidade e beleza para deixar seu filho sempre confortável? Então, acesse já a nossa loja virtual e compre sem sair da sua casa.

*** *** *** ***

Você também pode gostar

Um comentário em “Tecidos e alergia: como evitar e quais escolher para manter seu bebê sempre seguro

Deixe um comentário